Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

domingo, 22 de abril de 2018

Millenniumbcp





Desenho feito ontem no Millenniumbcp. Grande tarde.

Termas dos Cucos

Um encontro informal dos Oeste Sketchers, nas antigas Termas dos Cucos, perto de Torres Vedras, adiado devido a vários factores.
No entanto, eu e o André, depois de alguma exploração territorial passamos no local e lá estavam três sketchers perdidos que não repararam no adiamento do encontro.
Como tinha parado de chover, ainda deu para um desenho no jardim romântico que ainda guarda alguns vestígios da atmosfera termal do século XIX. .
Como o local merece melhor atenção e um dos objectivos era conhecer melhor as azenhas junto aos açudes do rio, os Oeste Sketchers já estão a preparar nova data, um dia inteiro com piquenique pelo meio.


Música na escola

Na sala de Educação Musical da minha escola há um piano. Deveria ser normal mas não é. Com alguma sorte, algumas têm um teclado. Mas piano a sério é mesmo uma dádiva. Infelizmente raramente toca, porque ser-se professor de educação musical não é a mesma coisa que ser-se músico. Por estranho que pareça, há muito mais professores de educção musical nas escolas portuguesas, que músicos. Por vezes temos a sorte de nos chegar à escola um professor músico. São fáceis de identificar porque a música está-lhes no sangue. E o nosso piano é irresistivel para esses professores. E quando o som inconfundível do nosso piano inunda toda a escola é mágico. O som entranha-se nas paredes e torna tudo muito mais bonito. Eu sempre que o oiço não resisto e vou até lá. E neste dia até tive tempo de fazer um desenho.

Florença

Esta cidade italiana está sempre cheia de gente! As filas para visitar museus são longas e intermináveis e as praças rapidamente enchem-se de grupos turísticos. Embora o centro de Florença não seja assim tão grande, é impossível visitar tudo! Em menos de cincos dias há que simplificar o programa, e fazer as escolhas certas, entre ESTAR, VER e DESENHAR! 


Piazzale Michelangelo
É uma imensidão de telhados que se estende à nossa frente! Quando comecei a desenhar um telhado, quis desenhar mais um e mais um e mais um para que a cidade se fosse construindo nas minhas páginas. Mas depois apercebi-me que a cidade é monstruosa e que era preciso "domar" esse monstro para que encaixasse no meu caderno!


Colecção de telhados
Não pertencem a uma só rua ou a um só largo ou a uma só praça. Nem pertencem a um só dono. Fizeram parte do meu percurso aéreo durante os dias em que estivemos em Florença.


Do Cemitério de Fiesole
É uma pequena cidade. É mais antiga do que Florença e fica do lado oposto a Piazzale Michelangelo. E ao contrário desta, é mais tranquila e tem menos turistas. Fomos parar ao cemitério por acaso. O Matias cansou-se de andar e pareceu-nos um sítio bom para descansar!

sábado, 21 de abril de 2018

Cucos





Palácio Baldaya




Benfica


Cadernos de Viagem de Abrantes 2018

Hoje a minha filha Sofia, de dez anos, quis vir comigo participar na oficina de desenho Ao Vivo e a Cores, desenvolvida pela Teresa Ruivo, e foi assim que ela respondeu ao desafio de desenhar o que vimos...
... e o que ela imaginou!

Cadernos de Viagem de Abrantes 2018

Oficina AO VIVO E A CORES

Desta vez levei a minha filha Sofia para participar na oficina de desenho dinamizada pela Teresa Ruivo, integrada nas jornadas dos Cadernos de Viagem de Abrantes, que nos desafiou a desenhar pessoas e os espaços com elas, e aqui partilho os desenhos que fiz, tendo a minha filha sido o meu primeiro "alvo"...
Os desenhos da minha filha ficam para um post próprio.

Árvore


quinta-feira, 19 de abril de 2018

Desenhar Campo de Ourique


Um pouco de cromaterapia




10X10 Lisboa

A formação 10X10 Lisbon avança a passos largos.
No dia 2018-05-09, a convite do José Louro (obrigado Zé), vou estar nas Escadinhas de S Miguel, em Alfama, para um workshop com o tema FRAME VERTICALLY. O programa está aqui: https://drive.google.com/file/d/1DgL_D4PAgThm4Z4vC0j7_ePUaFvCA251/view
As composições ao alto não são exactamente a minha especialidade mas já fiz um caderno de propósito para isso e agora ando a treinar...
#urbansketchers #uskp

Acrescento

Enquanto esperava o workshop "step by step" reparei neste acrescento clandestino feito num edificio pombalino. Provávelmente dos finais do século XIX principios de XX, não deixa de ter o seu encanto pelo insólito. A chapa de zinco canela cor verde produz um movimento atrevido no skyline deste bocadinho de cidade.
Leonor Janeiro

Junto à Praia de Paço de Arcos


Praia do Barranco das Canas

Jardim do Torel - Miradouro


Aproveito estes dias de sol ao almoço para desenhar no Jardim do Torel. Um espaço muito agradável e calmo. Aproveitei para fazer um desenho com a vista para o lago maior (praia no verão) e para a encosta que desce à Avenida da Liberdade em Lisboa. Três pausas de almoço depois, consegui terminar o desenho de uma das mais belas varandas sobre a cidade. Isto também a piscar o olho ao desafio deste mês "Varandas".

Praia Nova de Paço de Arcos (Paredão)

Em manhã de autêntico verão, fomos apanhar sol na esplanada da praia, e registei a paisagem.

A parede do Isaltino.

O próximo workshop 10x10


Divulgo hoje o meu próximo workshop integrado nas celebrações dos 10 anos dos Urban Sketchers:

 YOUR HANDS, YOUR SKETCHBOOK AND THE WORLD IS SCALED!

A TUA MÃO, O TEU CADERNO E O MUNDO FICA DIMENSIONADO!

No 25 de Abril vamos celebrar a liberdade de trazer para os nossos cadernos o mundo que vemos!
Como é que o desenho de uma simples mão nos apazigua o espirito e nos localiza na cena, relacionando-nos com o que vemos? Com o formador Luís Frasco, através de pequenas dicas iremos aprender a simplificar o registo em desenho, selecionando o que representamos e o modo de o fazer. Vamos trabalhar o tema da profundidade no desenho da cidade, a importância do enquadramento e da composição da página.
Esta vai ser a oitava aula do curso anual de Urban Sketchers 10×10 Lisbon. Junta-te a nós na quarta-feira, 25 de Abril pelas 18:00 na Praça do Município, em Lisboa.

Contacto para inscrições:
education@urbansketchers.org

Preços e o programa completo aqui:
http://drive.google.com/file/d/1DgL_D4PAgThm4Z4vC0j7_ePUaFvCA251/view

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Conheço-a de ginjeira

No Hospital Júlio de Matos há uma ginjeira que está agora em flor. Linda !!!
Vou tentando mas é impossível trazer para o caderno a beleza e a leveza  daquelas flores.

10 x 10 Lisboa


Step by step o programa 10x10 Lisboa ganha velocidade. Hoje foi a vez da oficina do Pedro Loureiro na Calçada do Duque.

Seixal


3 AEROPORTOS


Lisboa, Dublin e Luton.

LaBaq no Vic//Aveiro Arts House

Um bonito concerto da Brasileira LaBaq que anda na sua tourné por Portugal. Teve lugar num lugar emblemático em Aveiro, a sala de cinema privada da casa do artista multifacetado Vasco Branco. A casa onde viveu o cineasta, pintor e ceramista aveirense, é hoje a Vic//Aveiro Arts House, foi transformada pelo seu neto Hugo Branco, num museu vivo que não deixa esquecer toda a sua dedicação às artes. É uma guesthouse, um museu, residência artística e local de concertos e outros eventos ligado às artes. O seu nome artístico Vic, tem uma origem curiosa, mas só quem lá vai para conhecer fica a saber ;)