Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Lisboa que vai mudando


Esta semana, na mercearia do Sr. Zé fiquei a saber que, ele e a mulher terão de saír do prédio até ao final do ano. Na rua onde trabalho, um investidor comprou uma série de edificíos para converter em hotéis e apartamentos. Nesta rua, paralela à Avenida da Liberdade, tenho assistido a grandes mudanças. Os turistas sobem e descem, há muitos hostels, restaurantes mais gourmet e as velhas lojas vão acabando. 
Nesta mercearia, cujos donos estão ali há mais de 40 anos, compro a fruta para comer a meio da manhã. É com tristeza que os donos falam que terão de se mudar. Vão tentar manter-se no bairro, pois os seus clientes são todos dali. Não vejo mal na recuperação dos edifícios, mas não transformem tudo em hoteis. 
A D. São que se encontrava à varanda pensava que eu era um funcionário da CML, de caderno na mão. Gostaram muito do desenho que fiz. Este fica para memória futura.

11 comentários:

USKP disse...

Que giro...uma autentica casa de bonecas de vários andares e com muita cor!

Fefa

Pedro Ribeiro disse...

Gosto muito!

Eduardo Salavisa disse...

Na minha rua o sr. Albino e a mulher a srª. Alziraa merceeiros que estão aqui há 40 e tal anos também vão ter que sair. Soube há poucos dias. Também tenho que os desenhar enquanto é tempo.

Rodrigo Briote disse...

Um desenho muito oportuno

nelson paciencia disse...

Gosto muito deste desenho!

Ana Crispim disse...

Tambem gosto muito.

Isa Silva disse...

há tantos Sr. Josés por Lisboa :-( Infelizmente os casos estão a repetir-se cada vez mais

Rosário disse...

Gosto do desenho! É uma pena que os antigos habitantes tenham que sair!

Isabel Alegria disse...

Que bonito! é um desenho também feito de ternura. Um retrato de uma Lisboa preciosa, de que vamos sentir a falta.

Rita Catita Afonso disse...

Aprecio bastante uma tasca situada na Rua de São José. Aprecio igualmente este desenho.

Marcelo de Deus disse...

O que virá depois....!?