Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Pescaria nos Mosteiros

Porto de pesca dos Mosteiros

(Aguarela, grafite, caneta caligráfica, carimbo e lápis de cor)                                                                                                                            
 «in situ»

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

UMA MÃO CHEIA DE CAMELOS


Sunday bloody sunday

Um domingo que começou tranquilo... e gosto de desenhar aos domingos de manhã, pois parece que o que está parado ainda mais parado fica, o que ajuda ao desenho. Mas não foi o domingo que se adivinhava ser... mas parece que afinal repensar a nossa floresta, procurar perceber quem lucra com isto, se se trata ou não de algo concertado e tantas outras questões, não são afinal urgentes... meteu-se a política ao barulho e afinal parece que urgente era fazer caír uma pessoa... quando soube da demissão da Ministra acendi um fósforo, pois parece que a julgar pela urgência com que se pedia esta mudança, é assim que se combate o fogo. Mas o fósforo ardeu na mesma... 



Festival TRAÇO em Elvas

A proposta era desenhar os exteriores envolventes do Forte da Graça, em Elvas mas, como lá se passavam palestras e outras coisas interessantes, não quis sair.
Aproveitei para olhar de dentro para fora do Forte.




A Bela Nina na minha cama, nas férias em Roma



Elvas - Forte da Graça

 
 

VACAS SAGRADAS

Tive o privilégio de tomar contacto com esta realidade, na Índia: Vacas Sagradas caminhando ou simplemente estacionadas no asfalto das ruas por entre Tuc Tucs que passavam, camiões, pessoas que atravessavam, etc etc

Elas habitam num mundo diferente do nosso ... ao qual nunca se fica indiferente! Por isso as escolhi para este desafio USkP sobre Animais.

Praia em Santa Cruz



Da janela vejo a luz


"E observo quem passa na esperança de ler as mentes da correria do dia-a-dia"

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Ver as formas, deformar e desenhá-las

No próximo dia 4 de Novembro, começa na Academia de Pintura - Parque das Nações um curso com duração de 4 sábados onde vou partilhar a minha maneira de ver o mundo e como pode ser divertido brincar com as formas e com a perspetiva. Podem-se inscrever AQUI

Peguem no vosso caderno e venham daí.

Forte da Graça, Elvas.

As memoráveis palestras do Traço 2017.

Mania das pressas...

Este foi um daqueles casos em que não quis perder muito tempo a pensar na composição nem a fazer um esboço preliminar. Resultado, queria incluir todo o edifício e quando dei por mim, logo desde o início, havia começado a desenhar as montras grandes de mais. Resultado, nem um quarto do edifício coube na folha. É para aprender...


Abanicos

Enquanto comia abanicos num restaurante de Barranco do Velho fui desenhando personagens que estavam à minha frente. Um grupo de franceses muito animados depois duma caminhada e dois homens sozinhos, um lambia-se com uma espetada e o outro farto de esperar pelo repasto.
E assim se vai completando o caderninho e trainando a mão.
Leonor Janeiro

Arco da Rua Augusta


Curioso, sempre que desenho este arco, nunca me cabe na folha e de todas as vezes eu uso aquele truque de dobrar a folha seguinte para o poder completar. Este desenho também não foi excepção.

Pescaria nos Mosteiros

Porto de pesca dos Mosteiros

(Aguarela, grafite, caneta caligráfica, carimbo e lápis de cor)                                                                                                               «in situ»

3º Encontro Internacional de Desenho de Rua, Torres Vedras

Três dias de intensa actividade, desenhando de manhã à noite em lugares magníficos de uma terra nova para mim, mas onde me senti como em casa; Um ambiente fantástico pleno de pessoas extraordinárias e talentosas, algumas que já conhecia e outras que adorei conhecer; O desafio de orientar duas oficinas com parcerias “de respeito”, o Simon Taylor e a Isabel Alegria, onde ensinei muito pouco em comparação com o que aprendi em todas as outras; Novas abordagens, novas técnicas, e em alguns casos a “chave” para coisas que já andava com vontade de fazer... E tudo isto com um acolhimento e tratamento cinco estrelas por parte do André e toda a sua equipa, para quem nunca é demais um enorme Obrigado!
Não é fácil escrever sobre algo que ainda está a ser “metabolizado”, pelo que aqui fica meia dúzia de apontamentos dispersos, entre convívio e actividades. E que venha de lá o próximo!

 
 
 
 
 
  
  

Encontro na Estação Elevatória a Vapor dos Barbadinhos - Museu da Água - em Lisboa - 11 de Novembro



Vamos descobrir a parte menos conhecida do Museu da Água: a estação elevatória dos Barbadinhos junto a Santa Apolónia. Para além do interior cheio de maquinaria possui uma belíssima zona informativa e interactiva e um pequeno jardim. E a vista para o rio, não vai faltar :-)

Ponto de encontro: Rua do Alviela nº 12 às 10h.

Como chegar: Trajecto a partir da estação de Santa Apolónia: seguir pela lateral Rua Caminhos de Ferro + Rua da Bica do Sapato + Calçada de Santa Apolónia e a meio da Calçada dos Barbadinhos virar à direita. Quem for a pé a partir da estação de Santa Apolónia são cerca de 10 minutos a pé.
GPS: 38º 43’ 8,66” N 9º7’ 9,47” W
Autocarros: 735, 794,706 e também 712, 782 em Santa Apolónia; Comboio e Metro: Santa Apolónia.



A entrada é gratuita para todos os Urban Sketchers presentes. Quem chegar depois da hora, é indicar que faz parte do grupo de modo a não pagar entrada.

Organização: Foto&Sketchers 2 Linhas

Se tiverem algumas dúvidas, falem comigo: Isa Silva (isa13v@gmail.com)

Apareçam! :-)

Gianyar, Bali, Indonésia.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

BUS

A caminho de Elvas, para o TRAÇO 2017

3º Encontro Internacional de Desenho de Rua

Chegou ao fim, para o ano há mais
 
 
De pé, sentados ou de joelhos, faça chuva, faça sol, em asfalto ou terra batida, o segredo é não desistir.
E assim, lado a lado, solidários e confiantes, chegaram todos à meta de mais uma maratona de desenho. Não houve vencidos, só vencedores. Estão todos de parabéns.
Obrigado a todos os participantes, aos formadores, aos anfitriões, às escolas, aos parceiros e a todos os elementos da organização.
OBRIGADO
 
 
 
 
Foto de um dos grupos do dia 13.
 
 
O único exercício que consegui concluir, lançado pela Patrízia e Vicente.

Aproveito para agradecer aos 10 formadores, pela entrega e generosidade. O vosso contributo foi determinante para o sucesso do evento: Obrigado Patrízia, Isabel, Monia, Nathalia, Vicente, Pedros (Alves e Loureiro), Augusto, Paulo e Simon.

 
Nota: As fotos, dedico a todos os participantes, formadores e parceiros. Mas o desenho é dedicado, a uma grande amiga, a pessoa que mais me tem ensinado no mundo dos cadernos - mais do que um melhor desenhador, ela tem-me ensinado a ser uma melhor pessoa. Este desenho é para ti Ana Luísa Frazão. Em 2014, quando te pedi ajuda para organizar o 1º arte ao centro, sem me conheceres de lado nenhum, disseste  logo "conta comigo, sempre que precisares". Assim foi/é. Obrigado por tudo.



Traço 17 - Festival de Desenho do Alentejo

Forte da Graça, Elvas



Desenho no período da manhã em que nos foi proposto desenhar para o interior do Forte da Graça. Casas de habitação de militares situadas no forte.






Desenho do período da tarde. Vista panorâmica de Elvas desde o núcleo central do Forte da Graça, Elvas, ainda no famoso caderno Laloran de formato comprido.



Sábado, 14 de Outubro 2017




Metropolitanos



Castanhas

Não me apetece comer castanhas porque o calor tarda a ir embora.Mas ver os castanheiros carregados é uma imagem bonita sobretudo porque os ouriços já estão meio abertos e os tons de verde e castanho misturam-se numa combinação subtil. Quem sabe se no final da semana já é tempo de assar castanhas....Leonor Janeiro

3º Encontro Internacional de Desenho de Rua

De 13 a 15 de Outubro decorreu o 3º Encontro Internacional de Desenho de Rua integrado no Arte ao Centro Torres Vedras. Só fui no dia 14. O especial destes encontros - e a minha experiência restringe-se aos OesteSketchers -, é o ambiente eminentemente inclusivo e encorajador do rabisco que os permeia. Funcionam como um cadinho onde se resgatam vontades de desenhar que ficaram esquecidas pela vida, onde os mais tímidos e/ou menos experientes no traço e/ou na cor são calorosamente acolhidos e encorajados, e onde as dicas preciosas, a generosidade e a modéstia dos craques do risco têm sido regra, no auxílio e orientação aos "novatos". Em especial, o ANDRÉ DUARTE BAPTISTA enquanto mentor desta iniciativa, está de PARABÉNS!

O 1º workshop do dia na Adega Mãe com a Patrízia Torres e o Vicente Sardinha
"Histórias da Adega, as suas gentes e os seus vinhos"

O 1º workshop do dia na Adega Mãe com a Patrízia Torres e o Vicente Sardinha
"Histórias da Adega, as suas gentes e os seus vinhos"
Foi-nos oferecido um bloquinho (A6, acho...) onde fui roubando à pressa os 2 registos abaixo enquanto a visita guiada à adega decorria antes do workshop.




Segundo workshop do dia, da parte da tarde, na Adega Cooperativa de São Mamede da Ventosa, com a Monia Abreu e o Simon Taylor
"Contexto, Enquadramento e Distorção"

Segundo workshop do dia da parte da tarde na Adega Cooperativa de São Mamede da Ventosa, com a Monia Abreu e o Simon Taylor
"Contexto, Enquadramento e Distorção"


Uma tentativa de Vicente Sardinha apanhado a rabiscar

O Simon e a Monia a introduzir o workshop. Curiosamente, a dupla tem as mesmas iniciais que o local visitado!

3º Encontro Internacional de Desenho de Rua (Torres Vedras)


O workshop de Simon Taylor e Paulo J Mendes no Instituto da Vinha e do Vinho

Museu do Traje

Ainda o (a)Riscar o Património 2017, a excelente iniciativa da DGPatrimónio, desta vez, no caso de Lisboa, no Museu do Traje, onde não pude estar infelizmente toda a tarde.