Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sábado, 31 de dezembro de 2016

45º Encontro ÉSk | Museu de Évora

Os Évora Sketchers desejam um Fantástico Ano Novo a todos os companheiros sketchers.
Nosso primeiro encontro de 2017 vai realizar-se no Museu de Évora.

Desenho cego

BOM ANO...

rua de S. Miguel



Esta rua estreita é quase como a espinha dorsal de Alfama. Finta a igreja com o mesmo nome, cuja construção remonta a 1150. Funcionou na Idade Média como uma típica Rua Direita, isto é, a rua principal onde se concentravam os comerciantes e a gente dos sete ofícios. Apesar de mal caber um carro, a rua continua a ter bastante movimento, e não são só os turistas que passam. A senhora que ali está, sentada à direita, não cansa de repetir "Olh'a Ginjinha!", e vende copos a um euro.

martim branco


Foi a partir dos desenhos que aqui vi de Martim Branco, que me decidi a ir lá. Já há algum tempo que queria ir à Beira Baixa conhecer uma aldeia de xisto. Inspiradora esta aldeia.

Oficioso de Natal _03

Pude, no Museu Carlos Machado, comparar o Açor com o Milhafre, as diferenças entre eles (para olhos treinados) são óbvias e julga-se que não foi por desconhecimento que estas ilhas são dos Açores...


(Broadpen, lápis de cor, grafite e aguarela)                                                                                                                                       |«in situ»|





sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

2017



Amanhã há tanto para fazer que pode não dar tempo, assim ficam aqui os meus votos de um BOM ANO com paz e saúde.

Um sketch abstracto para que tenhamos que observar um pouco mais e melhor.

Travessa da Portuguesa


Este sítio é facilmente visto por quem vai para o miradouro do Adamastor. Visto de cima é impressionante, já que as escadas parecem acompanhar um vale que é bastante profundo, rasgado, lá em baixo, pelos carris estridentes do Elevador da Bica. Mais impressionante é imaginar que este vale já foi monte, bem alto até! Tão alto que se chamava Pico de Belveder, ou Monte de Santa Catarina de Monte Sinai. Ao que parece, o terramoto de 1597 fez desabar o monte. Do pico, ficou só o nome da freguesia. E um vale que, 400 anos depois, consegue ser um dos postais de Lisboa.

Desafio 74 - Gatos

DESAFIO 74 - JANEIRO 2017 
GATOS 
Participa até 25 de janeiro de 2017



O desenho mais comentado do Desafio 73 foi o da Ana Crispim. Todos os desenhos participantes deste desafio anterior podem ser vistos através deste LINK

Creio que andava mesmo perdido




Antes que o ano termine aqui fica daqueles sketches que, tal como as árvores, gosto muito de fazer.

Lisboa

 Museu da Marioneta

Oficioso de Natal_02

Está-se muito bem no Museu Carlos Machado... muito bem.

(Broadpen, grafite e aguarela)                                                                                                                                        |mais aqui«in situ»|

Calçada da Bica Grande


Nem só de elevador se faz a Bica. Como o nome diz, houve no local numerosas fontes. Mas para subir aqueles degraus, mais vale ficar quieto. E sketchar!

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Guimarães 2

Casa do Arco, Rua de Santa Maria


Largo da Oliveira, anterior à nacionalidade.

Igreja de N. S. da Consolação e Santos Passos, do Arq. André Soares, antes das torres sineiras acrescentadas um século mais tarde. (Não podiam ter estado quietos?!)

Casa dos Linhos, a única no centro histórico onde se consentiu uma linguagem arquitectónica moderna, para evidenciar a pré-existência da muralha no interior

Saudade do som da água a correr nas fontes e dos belos recantos para desenhar.

História e histórias preciosas. Igreja de S. Miguel. Românica. Embora não sem prova, a tradição diz ter sido aqui baptizado Afonso Henriques.

Largo da Achada


Numa pausa de almoço fui, com o Pedro Alves e o Pedro Loureiro, ao largo da Achada. Deve ser a única casa que em Lisboa ainda ostenta as janelas em ogiva anteriores ao terramoto. Na verdade, parece ter resistido discretamente a vários terramotos: o de 1755, o Fontismo, a higienização Salazarista e o pato-bravismo dos tempos modernos. E chegou até nós tal e qual o Roque a pintou. Que relíquia!

Capela Senhora dos Aflitos - Lousã

Como sempre a época natalícia é sempre uma confusão, visitar parentes, fazer compras, preparar consoada e lá se passa o a noite de Natal. Mas lá consegui fazer um pequeno passeio pela Lousã e um registo de um local que já andava á um tempo para desenhar. Foi de manhã e estava frio se não fosse o sol acho que nem o tinha pintado, mesmo assim ainda não ficou do meu agrado.

 

Cascais

Desenhando junto ao mar... 

Encontro de Natal em Torres Vedras


Finalmente, o post sobre o espectacular Encontro de Natal na minha cidade no passado dia 18. Deixo aqui apenas um desenho, feito no claustro do Convento da Graça que alberga o Museu Leonel Trindade. Os restantes desenhos e resumo escrito podem ser vistos no meu blog, aqui.

Marvão à Vista

Mais peças soltas

Oficioso de Natal_01

Nesta altura do ano regressam a casa alguns dos sketchers mais novos. A maioria frequanta o ensino superior em universidades que, em Portugal Continental, se alternam entre Lisboa e Porto. Foi com enorme satisfação que os revi a eles e também aos que por aqui andam. Os compromissos familiares (próprios da ocasião) dificultam a reunião de muitas pessoas. Fomos até ao Museu Carlos Machado por ser uma boa oportunidade para - a maioria - conhecer o núcleo de Santo André que reabriu recentemente. Fomos muito bem recebidos, guiados e inseridos na história natural onde nos deixámos ficar.

(Broadpen, grafite e aguarela)                                                                                                                                            |mais aqui«in situ»|

natal é quando a malta quiser ...

      o menino jesus chegou mais depressa este ano, com a ajuda dos rabisco ... Que levante a mão, quem não desenhou entre o bacalhau e a lampreia! Por falar em lampreia ... ó p'ra ela aqui :-)

Na Casa da Música é permitido desenhar.

by Júlio Roldão

é bom rabiscar, é bom rabiscar, é .... BOM!


ERA UMA VEZ UM PAI NATAL enfezadinho ... MAS VEIO A TINTA PRETA E COMEU ... depois, veio um peixinho, e umas folhinhas e ...e ... a vida!

Enquanto o sol deixa ... façamos a pausa necessária ... 2017 vem aí e é sempre tempo de recomeçar ou de continuar o que já é BOM ! Bons rabiscos, amigos urbansketcheiros ...

Conversas de cão


Outra perspectiva do local onde trabalho


a chegar ao fim...

(Broadpen, grafite e aguarela)                                                                                                                                                             |«in situ»|

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Marvão

Já lá vão uns meses, mas o Encontro de Marvão foi óptimo e muito produtivo.

Divertidos Rabiscos 2017


e assim Abraçados como este aqui!
Que tarde cheia de Sol, descomprometida e doce à beira-mar :D


Natais diferentes...


Para elas, para todos eles, para todos nós, aqui fica o meu desejo de um novo  ano muito, muito bom, com tudo aquilo que cada um mais desejar!

Boas Festas


Viana do Castelo


Viana do Castelo, 05.11.2016
avista.naocoisas.com

Aquela esquina das Belas-Artes II


Há coisa de um ano escrevi neste mesmo blogue: "Esta é a que eu chamo "a esquina mais desenhável do mundo". Tem tudo, movimento, ícones de Lisboa, vista fantástica e um largo meio bucólico no meio da confusão da cidade. Cores, texturas, sons... Um dos sítios que se devia desenhar todas as semanas e mesmo assim, os resultados seriam sempre diferentes. Fica aqui um momento de sorte, em que nos 8 minutos que demorei nas linhas passaram por mim, dois electricos... No meu desenho ficaram  no mesmo intervalo de tempo ;)" 

Eis que no momento em que comparo este post com o anterior que fiz deste mesmo local (aqui), tudo o que tinha escrito na altura faz sentido. Podia estar aqui dias a fio e os desenhos dificilmente seriam cópias uns dos outros. Desta vez, com a companhia do Pedro Loureiro e do Tomás Reis e com materiais totalmente diferentes dos de outrora bem como um pouco mais de tempo, saiu uma aguarela e não tanto um esquisso. São experiências,  todas elas válidas e se o local para o efeito for deste calibre, melhor ainda ;)

Azeitão

Vila Nogueira de Azeitão um local onde vou muitas vezes mas ainda explorei pouco ao nível do desenho.


Casa das Tortas

Quinta do Ferro





Palavras para quê? Árvores, sempre elas.

No voltar da página de 2016 para 2017 penso publicá-las menos por aqui. Continuarei a fazê-las compulsivamente, mas tenho em mente outros projectos.

Encontro na Quinta do Ferro

Na continuação desta longa iniciativa e no sentido de se organizar a 1ª exposição, de que será feita uma reportagem no jornal Público, vamos encontrar-nos junto à Quinta do Ferro para desenhar. Os mais 'corajosos' poderão assistir e desenhar a reunião com os parceiros e população deste projecto de reabilitação, que terá lugar no Clube Desportivo da Graça às 15 horas. Preparem os diários gráficos e caso precisem de mais esclarecimentos contactem 'joserosa52@gmail.com'.