Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

domingo, 30 de junho de 2013

Manuela Rolão

No Museu das Comunicações, com as pequenas grandes viagens

Manhã chuvosa em Manhatan


Nova Iorque, 29 de Abril de 2013.  A chuva empurrou-me para baixo de um alpendre da 5ª avenida, de onde pude observar as curvas perfeitas do Museu Guggenheim. Mais tarde, deteve-me no interior da Grand Central station; apesar de não ter a luz do sol para acentuar o dramatismo do espaço, vi a nave gigantesca bombear multidões como se de um coração se tratasse.

Castelo de Montemor-o-Velho


Um desenho para não perder o bichinho do desenho diário, pois estava um calor abrasador e dentro de agua é que se estava bem.

Cais da Rocha Conde d'Óbidos e Ponte 25 de Abril

Desenho feito na esplanada bar "Le Chat" (ao lado do Museu de Arte Antiga).

Paquete Funchal

Paquete Funchal, na doca seca da Rocha Conde d'Óbidos, a ser reconvertido e actualizado.



Fim de semana em Sever

As flores recolhidas ao longo do belo percurso da  ecopista, antiga linha de caminho de ferro  do Vouga. É um percurso de quase 7 km, lindíssimo! 
No pátio da casa do Sr. Adriano, noite escura, quente, ao som dos fados que tocavam no adro da igreja , mesmo ao lado, pelas festas de S. joão.


os vizinhos da mesa ao lado, hoje no restaurante

gato a p/b e a cores

a ver com interesse os pardais que passam


Santa Maria da Vitória

Igreja de Santa Maria da Vitória, Beja. Encontrei uma cidade em morte lenta, por todo o lado abandono.É triste. 10/6/13

2º ciclo de comunicações e workshops: FPC_Manuela Rolão

Em resposta ao primeiro desafio da Manuela, de fazer uma dupla aproximação a um mesmo tema (uma com uma técnica habitual e outra num registo mais experimental) resolvi voltar a abordar os desenhos feitos durante o workshop do Pedro Cabral.

Aqui com a aplicação da aguarela antes do desenho a caneta.



E aqui com a utilização de caneta pentel e mancha com salpicos no exterior.


Neste últmio desenho, a resposta ao desafio das vistas (possíveis no museu da FPC) de uma janela.



Flores


Comunicação e workshop Manuela Rolão - FPC






Castelo Branco




Mais Castelo Branco. Estes foram feitos ao longo do almoço e durante as comunicações.
Portugal, 22.06.2013


O local onde o rio Lizandro desagua. Praia da Foz do Lizandro - 2km a sul da Ericeira.

Torres Novas


Em Torres Novas Cruzei-me com uma feira medieval. Do movimento de pessoas e toda a agitação própria de um evento destes, não resisti a um desenho da encosta do Castelo. Ficaram em falta uns toques de cor mas pronto ...tive que ir.

sábado, 29 de junho de 2013

                                                      geladinhos à saída da praia

Praça do Município (Lisboa)


Praça do Município, onde já foi palco de grandes acontecimentos, deste a proclamação da implantação da república, até ao hastear da bandeira  de Portugal ao contrário.


 
Um local sem dúvida cheio de estórias…

ZOO de Victor Hugo Pontes _ Teatro Municipal Maria Matos

Desenho realizado durante o espectáculo de dança ZOO, baseado no livro de John Berger "Why Look as Animals?".


Mais desenhos em:

o tal encontro ibérico em castelo branco...




Cada vez me convenço mais de uma coisa: cada encontro de diários gráficos é tão especial que vale mesmo a pena todos os esforços para estar presente.
Quando acaba fica sempre uma sensação de nostalgia. Parece que as pessoas acabam por criar uma certa afectividade através do desenho...
O que dizer? Que foi um prazer enorme rever o Álvaro Carnicero e a Cristina Urdiales? Claro, mas também o Carlos Matos e o Tiago Cruz. E a Mariana Martins safou-se lindamente a apresentar os diários dela e foi notória a evolução do primeiro ao último desenho.

A partir de setembro espero que os nossos encontros sejam ainda mais proveitosos. Ando a estudar a melhor forma de todos beneficiarem com o facto de gostarmos tanto de desenhar em grupo!

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Feira de S. Pedro, Seixal

Enquanto desenhei, foi caindo a noite.

Castelo Branco

Conferências, na Junta de Freguesia de Castelo Branco.

 

A colina sobre a praia da Foz do Lizandro - 2km da Ericeira.

Praia fluvial da Ereira


Praia fluvial da Ereira em Montemor-o-Velho 17/06/2013

Numa das minhas voltas de bicicleta com um calor abrasador passei por Ereira e já andava a malta a "matar" as aulas. Sem equipamento para poder dar também um mergulho limitei-me a pegar um meu diário e registar. Trata-se de um dos meus primeiros trabalhos a aguarela nesta iniciação de urban sketcher.

42º encontro de diários gráficos


E eis o último encontro de diários gráficos antes do Verão. Será a bordo do Varino Amoroso e o passeio inclui a ida ao moinho de maré de Corroios.

Inscrições (limitadas à capacidade do barco) para: manuela.rolao@gmail.com

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Vila Viçosa

Das varandas posteriores, avistamos os quintais também posteriores dos restantes quarteirões que escapam à vista dos visitantes. Desta varanda avistamos Terena, Campo Maior, a as terras visinhas. A planicie alentejana no seu mais plano esplendor. A vista do primeiro plano é um arvoredo fantástico. O contraste é fascinante.

Faro


Av. da República, Faro

Encontro na serra de montejunto 16 de junho 2013



Um domingo frio e luminoso em boa companhia ligando a música ao desenho.

Türk Postallar vol10: Duran Adam

Gezi foi devolvido à população. Ou assim diz a retórica do governo, depois da brutal operação policial dia 15 de Junho, que não poupou nada nem ninguém. Após mais um dia de violentos embates, a situação em Istambul acalmou— e a entrada no Parque Gezi está barrada pela polícia.

Enquanto a polícia montava cerco e gaseava o Hotel Divan, onde alguns manifestantes se refugiaram depois da carga policial, uma legião de trabalhadores camarários destacada para o local retirava todos os vestígios da acampada. E, imagine-se, plantava árvores, o que é bastante bizarro atendendo que a intenção do governo sempre foi desde a primeira hora demolir o parque. Para quê isto, então? Simples, tem duas razões. A primeira, para discursos internos. Dia 16 já Recep Tayyip Erdoğan batia no peito afirmando num comício em Istambul que agora os verdadeiros ecologistas estavam em acção, no tal parque libertado das forças opressoras. A segunda é mais matreira— ao plantar uma centena de árvores no relvado, retira-se efectivamente espaço para futuras acampadas. Agora para montar tantas tendas, só destruindo o que foi plantado (e que, segundo o jornal Hürriyet, inclui muita roseira, o que está bom de ver também dá mau estar ao campista)— coisa que seria bradada até à exaustão pelo Primeiro-ministro: "Estão a ver? Que tipo de ecologistas são estes que destroem árvores? São saqueadores que só querem destruir!" (este discurso não foi feito, sou eu a antever atendendo ao que tem sido a tónica das intervenções de Erdoğan).

Desde dia 16 algumas coisas mudaram. Uma dessas mudanças foi o aparecimento pontual de pequenas milícias armadas com paus e facas que, com a conivência policial, têm atacado manifestantes. A outra foi a de novas formas de protesto. Uma delas foi iniciada por Erdem Gündüz. Dia 17 de Junho Erdem dirigiu-se a Taksim, e parou frente ao Centro Cultural Atatürk. E ali ficou, parado, a olhar para uma enorme tela com o busto de Mustafa Kemal Atatürk (o fundador da Turquia moderna) que cobre parte do edifício. E ali esteve de pé, durante oito horas a fio. E assim nasceu o protesto Duran Adam (literalmente Homem Parado). Quando Erdem abandonou a praça Taksim, já uma dezena de outros manifestantes o imitavam. Perante isto, a polícia resolveu deter quem ali estava parado, a olhar para Atatürk.

Protestos silenciosos em frente ao Centro Cultural Ataürk, na Praça Taksim

O protesto pegou, e desde então centenas de pessoas têm acorrido ao local, e ali ficam paradas, de olhos postos em Atatürk. E o protesto continua. Her Yer Taksim Her Yer Direniş (Em todos os lugares Taksim, em todos os lugares resistência). Ainda é só o começo, dizem os manifestantes.

Oliveiras, Vila de Pereira_C. Galhardo



41º encontro de diários gráficos


Está aí o penúltimo encontro de diários gráficos antes do Verão!
Mais uma parceria fantástica, desta vez entre a Arte e a Ciência para desenharmos as falésias da Costa Vicentina. Aqui fica o programa geral (o detalhado está na imagem):

10h30 - Ponto de encontro na Lapa das Pombas (Almograve)
13h30 - Almoço local (10,00€ e é necessária inscrição até dia 4 de julho para: pnsacv@icnf.pt)
17h30 - Reencontro e partilha de desenhos

Inscrições para o encontro: diariosgraficos@gmail.com