Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

segunda-feira, 28 de Julho de 2014

Santiago do Chile

Mercado Central - Mercado de Peixe

Intendencia Nacional, Plaza la Moneda (Palacio da Republica, onde se deram os golpes de estado de Allende e Pinochet)

Catedral de Santiago por fora

Catedral de Santiago por dentro 

Edificio dos Correios, na Plaza de Armas


domingo, 27 de Julho de 2014

Gerador, 1ª Comunhão


Praia de Santa Cruz


Já não ia para esta praia há uns anos e na hora da despedida me apercebi que a vista era ideal para desenhar. Praia do Guincho, Santa Cruz em Torres Vedras.

Caneta preta Pilot G tec.4, Lápis de aguarela e aguada (posteriormente), tamanho A5. 

Viagem a Lisboa



Há já  a algum tempo que não publicava os meus registos. Então agora com algum tempo , escolhi estes dois de um excelente workshop dirigido pelo Mário Linhares  sobre o tema "Viagem a Lisboa" tendo por base um filme de Win Wenders sobre Lisboa, que agora não me recordo o nome. Fim de tardes em Alfama , os sons das vozes dos seus moradores e os pombos fizeram-me companhia. Tenho de lá voltar para os registar.

 


Feito esta manhã na Quinta das Conchas.

Pequeno-almoço de campeões

Uma boa noite de sono fez-nos esquecer o dia passado em latas voadoras e sobre carris. Depois disso, a primeira coisa na lista 'a fazer' era comer um pequeno-almoço tuga como deve de ser. No 'Talismã' numa esquina em Benfica, vieram dois galões, torrada e um pão de deus misto!


Para o diabo com os lattes e os muffins! Isto é que é!

Mais tarde, repeti o Pão de Deus misto no Areeiro, em frente a um edifício modernisto-tradicionalista. Não me farto deles - dos Pães de Deus, claro.

(http://pedromacloureiro.com/2014/07/breakfast-of-champions/)

sábado, 26 de Julho de 2014

O maior aliado de um sketcher

Tempo! O tempo é o maior aliado de um sketcher. O tempo é o que abundava na viagem de avião de volta à terrinha para umas semanas de férias.


Para além dos surtos de turbulência e da falta de profundidade de campo (que resulta em perspectivas distorcidas), diria que um avião é um dos poucos lugares onde não há muito a distrair-nos do desenho.


Outro desses lugares é o aeroporto onde os ditos aviões aterram. Os temas são variados - carros, edifícios modulares, copos de café, maquinaria e bric-à-brac vário, assistentes de bordo e passageiro e um velho avião com o antigo logo da Lufthansa a ser rebocado.

(http://pedromacloureiro.com/2014/07/a-sketchers-greatest-ally/)

Rossio


Segundo dados da Assembleia Municipal, publicados este sábado num jornal, a cidade de Lisboa tem 108 praças. Incluindo o Aeroporto e o Marquês a que me habituei a ver como rotundas. 
Mas também nunca me habituei a chamar Praça D. Pedro IV ao Rossio.

Bica e Pastel de Nata


Pode ser um cliché, mas sou um fervoroso adepto da "nossa" Bica & Pastel de Nata (muito frequentemente alterado para pastel de Feijão se estiver por Torres Vedras). Tirando o sítio mais espectacular para se comer este petisco, os pasteis de Belém, devo desde já congratular a Sical da estação de metro do Campo Grande por ser (para mim) o segundo melhor sítio para o mesmo efeito. Muito improvável sim, mas foi uma bela surpresa, os pasteis são mesmo de outro mundo! 

Cadeirão


Para variar um pouco das paisagens e dos desenhos na estrada pedi ajuda a este cadeirão que estava disponível para ser desenhado, e que apesar de já não ter pernas da frente ainda estava de pé, encostado de frente para um muro, a lutar com tudo o que tinha para não se ir abaixo.

sexta-feira, 25 de Julho de 2014

Hamburgo sob um calor abrasador...

A memória mais forte de Hamburgo será para sempre a temperatura elevadíssima e o calor húmido que senti e para o qual não estava de todo preparada... Antes de ir até comprei um corta-vento para  para os ventos frios e a chuva... Foi mesmo muito difícil, tanto que quase não desenhei por lá. E quando o fiz foi no refúgio das noites mais frescas ou de espaços com temperaturas amenas onde descansei.

Trago boas memórias de novos amigos que fiz por lá e que espero ver em breve; de uma manobra incrível de um cargueiro enorme a poucos metros da área mais turística do porto e do local onde me sentei a ver; de um concerto de luzes e repuxos de água ao som de tango deitada na relva com milhares de pessoas a desfrutar de um pôr-do-sol (lá anoitece muito mais tarde do que em Lisboa) a 30º C; do belíssimo jardim Japonês no Garten und Blumen; da imagem imaginada do que será o enorme Lago Alster coberto de gelo em estado de "caipirinha" como eles dizem; do tanto verde por todos os lados; das Histórias da área do Porto e dos Armazéns de Hamburgo e a forma como toda aquela área sobreviveu às duas grandes guerras mundiais e se reconstruiu. E a cereja no topo do bolo: a cidade de Lüneburg que visitei e que fiquei a achar que deve ser a "Óbidos" ali das redondezas.

Proost!

Lago Alster

Café Speicherstadt



quinta-feira, 24 de Julho de 2014

Danças


Lisboa, 5 de Julho de 2014. Assistir a espectáculos de dança é sempre uma inspiração; a caneta parece sempre torpe face aos graciosos movimentos das bailarinas... Tinta da china colorida em casa.

Ericeira

 


Hoje despedi-me da Ericeira, por uns tempitos, com a vista de minha casa que mais gosto - o Cabo da Roca.

Saldanha


O semi-final da Av. Praia da Vitória (por incrível que pareça, ela continua do outro lado da praça, junto ao Monumental) é rematado por um belo palacete, um dos poucos vestígios das origens das Avenidas Novas.  

Caneta preta, folha A5


+ Manchas...

A distribuição de serviço é sempre angustiante...aproveitei para não pensar muito sobre constrangimentos e inevitabilidades...

Conversa na Praia!

Nazaré

quarta-feira, 23 de Julho de 2014

Sesimbra, o último.

Último sketch feito em Sesimbra durante o encontro USK (pintado em casa).

Castelo de Torres Vedras


Na minha opinião, uma cidade que tenha um castelo no topo de uma colina ganha logo alto estilo e carisma. Se for uma cidade muralhada então... fica com motivos de orgulho! E em Portugal temos a sorte de poder desfrutar deste tipo de paisagens urbanas em quase toda a parte, se bem que muitas vezes isso passa-nos ao lado. Aqui fica o Castelo de Torres Vedras visto de longe, a dominar a paisagem.

Caneta preta, lápis de aguarela, folha A5. 

Jardins da Gulbenkian - Verão




Não tenho conseguido participar no último encontro nos jardins da Gulbenkian fui noutro dia fazer os meus registos. A falta de tempo tem me impedido de os partilhar mais cedo, mas cá estão eles. 

Gerador de cultura portuguesa


O projecto GERADOR convidou os Urban Sketchers Portugal para participarem na 1ª Comunhão Gerador, já neste sábado, dia 26, a partir das 14h, no Espaço Santa Catarina (Largo Dr. António de Sousa Macedo, 7D, 1200-153 Lisboa).

Eles são um grupo muito criativo de pessoas que tem como foco central a cultura portuguesa.

O evento promete! Quem estiver por Lisboa e puder aparecer para desenhar e mostrar como os USkP fazem cultura portuguesa através do desenho, será muito bem vindo!



Eu vou e começo já por publicar aqui um desenho da minha querida Lisboa:

em Ponta Delgada

Ao fundo, a entrada para a piscina de São Pedro (pesqueiro)
 

Fotografia do desenho feito em casa da Maria Celeste depois de termos andado a colher as ameixas.

terça-feira, 22 de Julho de 2014

Apanhar ameixas na Casa João do Rio


...no passado domingo, no encontro para desenho, na Casa João do Rio, as desenhadoras acabaram a apanhar as ameixas que caíam de maduras no quintal...
...qui está a Paula com todo o seu estilo a apanhar as ameixas uma-a-uma com uma cana muito comprida...

...eu e a Zeta agarramos a escada da destemida Leonor Osório que conseguiu apanhar imensas ameixas...

...e a Helena, que prova o resultado de todo este animado esforço...

Desenhar com massas

Lisboa e Santa Cruz, 18 e 19 de Julho de 2014. Desenhos feitos por arquitectos são geralmente reconhecidos pela utilização da linha como principal elemento significante. Sendo arquitecto, dá-me especial gozo contrariar essa tendência dando maior importância às massas. Os desenhos tornam-se menos "arquitectónicos", mas ganham em expressão e plasticidade.

Intervalo para almoço 5


O meu intervalo para almoço começou logo na copa, para desenhar o interior do quarteirão. Um dos mais caros do país de certeza. O edifício mais alto fica na esquina da Av. Duque de Ávila com a Av. Defensores de Chaves.

Desenho a caneta preta pintado com lápis de aguarela e aguada, tamanho A5

Desenho em Sesimbra


...nas rochas com marcador e aguarela...

...o café da Galé tem uma bela vista para a baía a poente...

...o pior são as gaivotas que também gostam do sítio,e não é para desenhar...

Ameixoeira da Casa João do Rio em Sesimbra

Anteontem,além de desenhar apanhamos as ameixas que estavam muito maduras e muito altas...

...foi um acto de grande valentia e coragem que meteu escadote e canas... Anteontem à noite, ao regressar a Sesimbra trouxe algumas ameixas com rama e tudo... e ontem tentei desenha-las...

...foi uma tarde muito especial


Selfie #3

As manchas já existiam....achei que se adequavam ao meu rosto....tentei!

Conversas e copos...


O minhas incursões em colorir os meus desenhos continuam. O desenho foi feito no local, a cor foi dada posteriormente. Este espaço é o Elegance Bar em Torres Vedras, um sitio tranquilo com um ambiente familiar para copos e conversas de bola, como era este caso.

Desenho a caneta preta, pintado com lápis de cor e aguada. 

segunda-feira, 21 de Julho de 2014

Os barcos do Seixal

No dia 19 de Julho fui ao Seixal para colaborar com a Manuela Rolão num dos seus magníficos workshops. Como não apanhei transito cheguei muito cedo. Decidi explorar aquela terra maravilhosa. Deparei-me com várias embarcações tradicionais, todas restauradas que me deixaram fascinado e com uma enorme vontade de as desenhar. Assim fiz. Estava quase a terminar o desenho quando de dentro do barco laranja sai um senhor que, naturalmente, me perguntou o que estava ali a fazer. Mostrei o desenho. O Senhor José Jerónimo, apresentou-se e ficou muito agradecido com o desenho que fiz. Pediu-me um cópia e explicou-me que o barco era dele, que tinha sido restaurado e que em breve iriam escrever com as letras tradicionais o nome do seu barco: Primavera. Foi uma excelente maneira de começar o dia. Mais tarde o Senhor Mário Custódio veio ter comigo para me explicar um pouco da história daquelas embarcações e do projetode que faz parte. Podem consultar aqui: http://projetoraposinho.blogspot.pt/

Para além da simpatia que demonstararam, Os senhores José Jeronimo e Mário Custódio transmitiram uma paixão por uma arte que deve ser preservada. Através do desenho podemos ajudar a divulgar este património. Por isso este poderá ser um dos próximos temas de desenho.

De regresso às árvores

No dia anterior ao workshop da Manuela Rolão sobre árvores andei a folhear os meus diários gráficos à procura de desenhos sobre árvores. Apercebi-me que não desenhava árvores há vários meses. Assim no fim de tarde de dia 18 regressei às árvores.