Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

terça-feira, 22 de Julho de 2014

Desenho em Sesimbra


...nas rochas com marcador e aguarela...

...o café da Galé tem uma bela vista para a baía a poente...

...o pior são as gaivotas que também gostam do sítio,e não é para desenhar...

Ameixoeira da Casa João do Rio em Sesimbra

Anteontem,além de desenhar apanhamos as ameixas que estavam muito maduras e muito altas...

...foi um acto de grande valentia e coragem que meteu escadote e canas... Anteontem à noite, ao regressar a Sesimbra trouxe algumas ameixas com rama e tudo... e ontem tentei desenha-las...

...foi uma tarde muito especial


Selfie #3

As manchas já existiam....achei que se adequavam ao meu rosto....tentei!

Conversas e copos...


O minhas incursões em colorir os meus desenhos continuam. O desenho foi feito no local, a cor foi dada posteriormente. Este espaço é o Elegance Bar em Torres Vedras, um sitio tranquilo com um ambiente familiar para copos e conversas de bola, como era este caso.

Desenho a caneta preta, pintado com lápis de cor e aguada. 

segunda-feira, 21 de Julho de 2014

Os barcos do Seixal

No dia 19 de Julho fui ao Seixal para colaborar com a Manuela Rolão num dos seus magníficos workshops. Como não apanhei transito cheguei muito cedo. Decidi explorar aquela terra maravilhosa. Deparei-me com várias embarcações tradicionais, todas restauradas que me deixaram fascinado e com uma enorme vontade de as desenhar. Assim fiz. Estava quase a terminar o desenho quando de dentro do barco laranja sai um senhor que, naturalmente, me perguntou o que estava ali a fazer. Mostrei o desenho. O Senhor José Jerónimo, apresentou-se e ficou muito agradecido com o desenho que fiz. Pediu-me um cópia e explicou-me que o barco era dele, que tinha sido restaurado e que em breve iriam escrever com as letras tradicionais o nome do seu barco: Primavera. Foi uma excelente maneira de começar o dia. Mais tarde o Senhor Mário Custódio veio ter comigo para me explicar um pouco da história daquelas embarcações e do projetode que faz parte. Podem consultar aqui: http://projetoraposinho.blogspot.pt/

Para além da simpatia que demonstararam, Os senhores José Jeronimo e Mário Custódio transmitiram uma paixão por uma arte que deve ser preservada. Através do desenho podemos ajudar a divulgar este património. Por isso este poderá ser um dos próximos temas de desenho.

De regresso às árvores

No dia anterior ao workshop da Manuela Rolão sobre árvores andei a folhear os meus diários gráficos à procura de desenhos sobre árvores. Apercebi-me que não desenhava árvores há vários meses. Assim no fim de tarde de dia 18 regressei às árvores.


FMM 2014 - Sines e Porto Côvo


Este fim de semana começou a edição de 2014 do Festival de Músicas do Mundo de Sines. Este ano abria com concertos no Porto Côvo, em pleno largo do Marquês. Aproveitei para acampar perto da praia da ilha do pessegueiro e ver alguns concertos.
No sábado choviscou. Fui passear em Sines e ver os preparativos deste festival que acompanho há anos com alguns intervalos. Ao final do dia pude assistir aos espectáculos já com noite de céu limpo. A praia no domingo já estava uma delícia.
No almoço desenhei um pouco enquanto esperava uma raia frita e um bacalhau assado. É bom voltar aos lugares onde nos sentimos bem. Gosto muito do Côvo.

pausa para café

Fui às compras e parei para tomar um café...
Gosto de «brincar» com manchas de cor, aparentemente aleatórias..
 


Mais uma árvore da Praceta João do Rio.

CONFERÊNCIA EM ESPANHA_JUN_JUL14

DE VUELTA CON EL CUADERNO 2014_Debujantes al treno_ ZARAGOZA
 A - APRESENTAÇÃO DO CURSO EM 26 JUN 14 em ETOPIA (Edifício de Arte e Tecnologia, em ZGZ, frente à Estação Delícias), VI Edição dos Cursos de Verão.  

Foram distribuídos cadernos panorâmicos ou japonês e deu-se início ao CONGRESSO "DEBUJANTES AL TREN".
Fig 1. Ao microfone a directora Clara Marta ia dando instruções de orientação aos Congressistas.
 O Coordenador português dos Diários Gráficos  EDUARDO SALAVISA abriu a conferenciou com tema "UMA VIAGEM PELA AMÉRICA LATINA".
.
Escutando diversas opiniões dos participantes neste Congresso, a intervenção de SALAVISA foi muito interessante.
            Fig 2.  A capa do bonito diário gráfico e um momento com a Desenhadora Gráfica e
                     Ilustradora CLARA NUBIOLA, Mestre em Antropologia Social e Urbana.
 B - UMA NOVA VIA, OUTRO RUMO:percurso de Saragoça a Alhama de comboio RENFE, ferrovia   espanhola.      


Fig 3. Da janela da carruagem, os "cuadernistas" iam tomando apontamentos 
 . Pela manhã de 29Jun14 saímos de Saragoça, passamos de comboio por diversas povoações e finalmente ao destino. Alhama de Aragão.
  Chegando ao apeadeiro  percorremos a pé o trilho que daria da estação ferroviária  ao Hotel de Aragón.a fim de pernoitar.

C - Pprimeira parte do percurso: de ALHAMA à estância balneária (termas).


Fig 4 Jardim e lagos das termas.
 D -  Seguidamente a ementa de sabor espanhol e a conferência com USK português Luís Simões
Fig 5 Um postal de Luís Simões e a ementa da refeição de 29Jun. 
      E - De regresso a ZGZ,  "al tren".



Fig. 6  Retomando apontamentos visíveis da  janela do comboio
Pelo caminho ferroviário que utilizámos, não havia grandes fachadas urbanas. Apenas pequenos edifícios ou casas relacionadas com a vida rural simples. Montes, pequenas cordilheiras de montanhas, casas isoladas, armazéns, campanários, plantações de produtos agrícolas, equipamento para diversos fins em especial agrícola e de comunicação. Tais registos pudemos rapidamente captar ao longo da via férrea, não obstante o constante balançar da carruagem.
Fig 7. O fim de uma viagem de comboio
H -  Fim do percurso e da actividade lançada pela E.ARTE DE SARAGOÇA e La Associacion "de vuelta con el cuaderno" e outras entidades espanholas, em 1Jul14.

Antes de finalizar o evento a engenheira Cristina Urdiales que trabalha em Engenharia Robótica ainda discursou sobre o tema "De viaje con el cuaderno"

Para ultimar a actividade desses três dias, serviu-se de, um espaço com suportes para montagem de uma exposição de todos os trabalhos dessa actividade.

Estes foram os principais momentos e acontecimentos. 
Concluindo ainda o objectivo da nossa tarefa promoveu-se a partilha de saberes, muitas fotografias da ocasião. despedida a todos os presentes e o encerramento do Congresso.

Contracapa do diário gráfico à vista.

domingo, 20 de Julho de 2014

Biblioteca Vapor Trafaria

É aqui no centro da Trafaria, no edifício do Mercado, que está a ser construída a nova biblioteca.

A outra, a da Casa (Cova) do Vapor, que todos conhecemos nas visitas do ano passado, está enraizada e estabelecida.
É uma alegria ver a equipa da Casa do Vapor, alargada e organizada, a trabalhar com a dedicação e empenho de sempre.

Workshop "Por entre as árvores" - Seixal



    
      Se podes olhar vê. Se podes ver repara."
      José Saramago

"Oficina da Alquimía das Cores"

Workshop de Luís Ançã, na casa João do Rio.



Aqui poderão ver a reportagem completa: http://cesarcaldeira11.blogspot.pt/

Adicionar legenda















Castelo de Torres Vedras


Interessei-me por um post no site global dos Usk sobre esquissos rápidos e ontem resolvi fazer uns exercicios nesse sentido, o de fazer um esquisso colorido em menos de 5 minutos. Fica um detalhe do castelo de Torres Vedras visto da minha varanda. Foi o melhor que se conseguiu ;)

Caneta preta, lápis de cor e aguada, folha A5

Mancha vermelha...


A mancha vermelha que tinha, previamente desenhada, no meu caderno deu-me aso ao registo (novamente) da boca de incêndio junto ao edíficio dos Correios da Av. Antero de Quental em Ponta Delgada.







REGISTO DE UMA EXPOSIÇÃO EM BELÉM_2014.

A actividade desenvolvida pelos USKP não se relaciona apenas com os resultados dos conhecidos Encontros. Outras circunstâncias também primariam registos gráficos, como o caso de exposições de diversos autores, de artistas de diferentes campos.

Ana Pérez-Quiroga diz "antes morta que burra" . No âmbito do Projecto Travessa da Ermida no MAP - Museu de Arte Popular, há algum tempo atrás,  foi inaugurada uma exposição desse lema que decorreu no passado dia 3 de maio, sábado, às 17h00 e  permaneceu até 29 de Junho.

Nascida em em Coimbra em 1960, a artista “tem desenvolvido um corpo de trabalho que assenta numa contínua diversidade do fazer e num questionamento do quotidiano”, texto que se pode constatar-se através de um comunicado de imprensa.

Ana Pérez-Quiroga é licenciada em Escultura (FBAUL), mestre em Artes Visuais Intermédia (Universidade de Évora) e doutorada em Artes na Universidade de Coimbra.

 Trabalha essencialmente com instalação e fotografia. 

 ‘Antes morta que burra’ título dessa exposição foi um trabalho em que “uma peça constituída por diversas orelhas de burro, construídas em feltro, nas quais se inscrevem ditados populares bordados alusivos ao ‘burro’. Como nota curiosa, segue-se neste suporte  uma lista de provérbios pesquisadas pela escultora, apresentada ao público como fazendo parte do seu trabalho.

(Como nota extra, elucido que não obstante eu ter dado conhecimento prévio via telefone antes de dirigir-me ao Museu, também fui atingida por na altura da minha deslocação ter-me  sido comunicado não estar autorizada a pintar dentro do Museu de Arte Popular. Fez-se o melhor que consegui e sei de antemão que outras exposições estarão patentes no mesmo Museu. O que se pode fazer?).
Fig 1. Imagens colhidas sobre trabalho da escultora ANA PEREZ-QUIROGA.
Fig 2. Uma série de provérbios investigados pela autora e que acompanhou a respectiva exposição.
"Sesimbra é Peixe" - 60º Encontro UrbanSketchers Portugal

Sobe o lema "Sesimbra é Peixe" estivemos lá para desenhar o mercado do peixe, os peixes, as pessoas, e os barcos e tudo...













... com a orientação do Luís Ançã, reunimo-nos pelas 10h da manhã no centro de Sesimbra.

















Depressa tomámos conta do local, recebidos pela simpatia dos vendedores que nos acolheram com muito boa vontade e compreensão. — com Luís Ançã,Cláudia Mestre e Rosario Félix.









































Mãos hábeis não deixam escapar o peixe que colocam no papel onde viverá por mais tempo. — com Rosario Félix.














Mas há também quem prefira a calma do exterior, com menos confusão. — com Filipe Leal de Faria.
















O colorido era bem atraente e muito variado.













Como apenas pude estar durante a manhã, que começou já a meio, apenas fiz este registo mal acabado...























            ... depois de acabado em casa, ficou assim.











Ainda esbocei este segundo desenho com um peixe espada e algumas santolas que trouxe para casa e acabar na calma do meu estirador...











As cores do mar são irresistíveis, deixaram em mim uma grande vontade de desenhar mais peixes e fiquei com muita pena de não ter ficado para a tarde e desenhar os barcos. Estou com vontade de lá voltar.