Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Igreja Românica de São Pedro de Rates


24º Encontro dos USkPNorte

Oeste Sketchers em Montejunto

Mais uma vez, o grupo Oeste sketchers juntou-se, desta vez em Montejunto.
A serra soprou um pouco de manhã, até largou algumas gotas de chuva, mas foi uma bênção porque o dia esteve fabuloso.
A manhã passou a correr, tiramos a foto de grupo e avançamos para o parque de merendas, uma bela surpresa para quem não conhecia.
Seguiu-se um belo piquenique, onde se estenderam toalhas e aos poucos, depois de comer fomos rabiscando.
Alguns foram visitar a real fábrica do gelo, outros ficaram na preguiça, entre sesta, desenhos e conversa.
Por fim, voltamos a partilhar desenhos, descobrimos que tínhamos uma modelo, presente em grande parte dos desenhos.

O ambiente estava fabuloso, mas tudo o que é bom passa depressa.

Espigas

Ervas espontâneas na cidade

Seguindo o desafio da QUERCUS.
Não sei como se chamam estas espigas, mas aparecem por todo o campo e cidade, pelo menos aqui pelas latitudes de Lisboa.
Também não sei quando é o DIA DA ESPIGA mas palpita-me que estará para breve o encontro fatal entre o calendário e as espigas, papoilas, camomilas, oliveiras, etc.
(Local: Hospital Júlio de Matos, Freguesia de Alvalade, Concelho de Lisboa)

festival islâmico de mértola


sketchbook therapy








No passado fim de semana de 13 e 14 estive, com mais amigos desenhadores, em Vila Ruiva (Fornos de Algodres) para fazer alguns registos do SBF (Spring Burros Fest). Deixo-vos os desenhos do sábado de tarde na aldeia (3 primeiros)e do domingo no local da festa (restantes).

Oeste Sketcher em Montejunto I/III

A realidade proporciona uma certa ironia casuística, como se existisse apenas porque alguém a sonhou anos antes, mesmo que todos os elementos nela presentes estejam baralhados.
Confesso que nunca assisti a uma partida tão cheia de imprevistos, mas assim que o comboio de carros se alinhou correu tudo bem.
Quando chegamos à serra, o vento empurrava-nos para os cantos abrigados do convento, alguns escolheram a sombra, outros o sol.
Entre ruínas e paisagem, eu escolhi o alinhamento de antenas no topo do relevo, os contrastes vermelhos no topo dos verdes. ...ou então, foi mesmo o canto abrigado e cheio de sol com a companhia da Rita.


Vou ter de voltar ao convento para o desenhar, em redor existem algumas paisagens fabulosas, fascinam-me aqueles pinheiros talhados pelo vento, ao longo da encosta. 

vale do poço








A Falésia em Maio

Acho que nunca me vou cansar de pintar a falésia ...da praia da Falésia. 
Comecei quando a praia ainda era só nossae deserta na Primavera; agora já não é assim, já não se pode pintar deserta...há que incluir estrangeiros (e alguns afortunados nacionais) caminhando ao longo do extenso areal.
Assim foi na semana passada.


Feira de Chichicastenango

A feira de domingo em Chichicastenango é um mar de cor, dizem que é a mais colorida da America do Sul e talvez seja verdade. E quando o calor aperta não ha nada melhor que comer uma fatia de melancia e depois pedir licença para desenhar e fotografar todas aquelas frutas apetitosas de que eu tanto gosto.
Leonor Janeiro

22º Encontro USkP Açores #06

Objetos construídos com a raiz do dragoeiro. Desconhecia esta possibilidade.



E foi um dia em cheio, com muitos desenhos. Duas ou três pessoas sairam antes da fotografia de grupo, foi pena...

(Caneta caligráfica e Lápis de cor)                                                                                                                    «in situ»

Abril




Algumas coisas feitas durante o mês de Abril.
Outras em avista.naocoisas.com

domingo, 21 de maio de 2017

11º Oeste Sketchers - Montejunto - Parte I

10h30 - depois de uma viagem atribulada, chegámos ao destino.
 
Fomos recebidos pelo vento fresquinho da Serra, mas aos poucos o sol foi espreitando.
A parte da manhã foi dedicada às  Ruínas do Convento Dominicano de Nossa Senhora das Neves.
 
 
Ao abrigo das ruínas do convento, desenhei as traseiras da Igreja de Nossa Senhora das Neves.
 
 
Onde há uma traseira, existe sempre uma frente - Fachada principal da Igreja.
 
Os desenhos que se seguem foram feitos no Parque da Serra, após um espetacular piquenique entre amigos.
 
O desenho superior foi feito na esplanada, à conversa com o meu "irmão" Filipe Oliveira. Matámos saudades dos tempos de faculdade e da importância do desenho, durante e pós-formação.
 
 
O último desenho foi começado ao lado do Augusto. Ao nosso lado estava um grupo/família bem animado/a. Entre cerveja e bagaço, a festa estava rija. As cores são na sua maioria da autoria do Tomás - um desenho partilhado.
 
Esta foi a produção da manhã. À tarde, depois da sesta (quase), ainda se fizeram uns rabiscos. Uns ficaram na sesta, outros foram até à Real Fábrica do Gelo. Amanhã há mais....
 
 
 
 
 

MoSk no Sketchcrawl no Bairro da Vista Alegre

Para assinalar o dia dos Museus, os MoSk participaram numa sketchcraw organizada pelo grupo ASk pelo Bairro da Vista Alegre com vistia à exposição patente no Museu. Estes são alguns dos desenhos realizados podendo ver aqui os restantes.

 Desenho de Ana Luisa

Desenho de Jorge Antunes


Noite dos Museus

Um verdadeiro sucesso a primeira experiência do MARG - Museu da Aguarela Roque Gameiro na Noite dos Museus.
Havia sempre mais gente a querer ver a exposição.

Estes carros citadinos parecem ovos de codorniz


Mais uns bonecos na linha verde




10x10 ELVAS


 Museu Militar, orientado por mim e pelo Miguel Silva.


Forte de Santa Luzia com José Kuski e Rui Baptista.

 Roncas de Elvas com João Sobreiro e José Barreiros.

Desenhar com Teresa Ruivo

Obrigada Teresa Ruivo pela partilha!

Gostei do desafio de desenhar pessoas, e executei o exercício com linha. Não foi fácil captar movimento e as várias folhas que preenchi são quase sempre desenhos inacabados.

 Cá fico com mais um tema para treino diário - pessoas em movimento.

Aqui deixo duas das folhas do meu caderninho e mais no http://sejamuitoooofeliz.blogspot.pt/





22º Encontro USkP Açores #05



A pequena casa Museu tem uma falsa (sotão de pé-direito baixo) cheia de arcas «vindas da américa» e com espaço para cama de hóspedes.

(continua)

Caneta caligráfica, Lápis de cor, marcador e grafite                                                                      «in situ»

Resumo de uma muito breve viagem a Bruxelas...


Fui, voei, trabalhei, sofri com o calor... (Sim!!), voei e voltei... 



inventei rodas e esqueci-me das outras...

Chegou atrasado...


Rabisquei em terra e pintei a voar.


Mais ALI