Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Finlândia III - Suomenlinna


Se há sítio de Helsínquia que qualquer visitante deve conhecer, é a ilha de Suomenlinna. Trata-se de uma das mais poderosas fortalezas do Báltico. Foi sueca, foi russa, e está ali, numa ilha hoje serena, bem perto do centro da cidade.  A viagem de barco até lá é como um desfile de ilhas e de arquipélagos, num mar-lago onde a terra e a água quase se confundem. E a cidade, à medida que nos afastamos mar adentro, vai revelando a sua skyline única, onde a catedral luterana rivaliza com a ortodoxa, numa cidade que se quis fazer à imagem de São Petersburgo.


De repente, o barco deixa-nos numa ilha bucólica, com casas de madeira e gansos a esgravatar a terra húmida da neve recente. Lembra a ilha de Kristiania, na Dinamarca, mas aqui a paz é absoluta. A fortaleza, estilo vauban do século XVIII, é tão grande que jamais imaginei possível nesta latitude inóspita.
São talvez os seus 60ºN que justificam a classificação da UNESCO. E quase justificam, por si só, a ida aos antípodas da Europa.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Vem desenhar a minha escola

No fim do mês de Fevereiro, O Duarte enviou um convite a todos os Urban Sketchers para irem desenhar a escola dele, o Jardim-Escola João de Deus em Torres Vedras,  e apresentar a nossa Associação aos colegas e professoras.

O  convite foi aceite e, assim, sexta feira à tarde, no dia 31 de Março lá estivemos em Torres Vedras com os 18 alunos do 4º ano, a professora Filomena e a professora Marta.

Este encontro, “Vem desenhar a minha escola” teve um cartaz desenhado pelo Duarte:


Foi uma tarde muito divertida onde apresentámos a Associação, lançamos vários desafios  e até houve lugar para um desafio para TPC!

Começámos por fazer desenho cego, depois brincámos com a perspetiva com a ajuda de palhinhas e, como exercício final, desenhámos euforicamente (um exercício replicado de um retiro do Mário Linhares realizado em Turim) para terminarmos em festa.

Nos mês de Junho vamos fazer uma exposição na escola com os desenhos que originaram deste encontro.












Os alunos adoraram e a professora Filomena pediu-nos para voltarmos e repetirmos a experiência! J

Gostaria de agradecer à Isabel Alegria, à Helena Monteiro, à Teresa Ruivo e ao Eduardo Salavisa a vossa participação e disponibilidade para se deslocarem de propósito a Torres Vedras para este encontro.
Agradeço também a todos os que se disponibilizaram para participar nesta actividade e que, por motivos profissionais e outros razões de força maior, não conseguiram estar presentes.

Finalmente, tenho de agradecer à professora Filomena e ao Jardim-Escola João de Deus pela vossa abertura a actividades desta natureza e por nos terem recebido de braços abertos.
Todos vós, fizeram 18 crianças muito felizes, incluindo o meu filho Duarte!


Muito Obrigada!






A praia aqui ao lado

Estar ao pé do mar é simplesmente maravilhoso. Sempre que posso sento-me e observo. Gosto do movimento das ondas (um dia hei-de conseguir captá-lo), gosto das cores e gosto do som. Hoje as meninas tinham festa de aniversário. Aproveitei a tarde para ir até São Julião. Sentei-me numa zona de escadas que dão acesso à praia e fiquei ali a desenhar calmamente.


25 Abril

Um desenho com exactamente 30 anos, em plena fase lápis de cor.

25 de Abril, sempre

Desta vez os festejos foram durante a residência artística em Abrantes.


Cabeleireiro

Falhei algumas cadeiras, uma pessoa, frascos e caixinhas, texturas, reflexos e sombras... mas pelo menos foi rápido.

FAC CIENCIAS_Cidade Uiversitária

FAC CIÊNCIAS_(FCUL)_ABR17:  desenhar o exterior dos edifícios na Cidade Universitária, Lisboa

1.EXTERIOR

                                      Fig. 1. ENTRADA DA BIBLIOTECA_ABR17


 
Fig. 2. EXTERIOR DA BIBLIOTECA_ABR17




 
Fig. 3.  Pátio_C03_FAC  de CiÊNCIAS_ABR17
 
Fig. 4. FAC CIÊNCIAS_ escadarias em tubos de ferro e betão, no exterior

2. NO INTERIOR
Apenas concebi uma imagem no interior da biblioteca (com mesas cadeiras e material disponíveis de apoio - computadores).
Nesta página nota-se perene aviso de silêncio, no espaço da Biblioteca
Fig.. 5_BIBLIOTECA com equipamento de apoio para os utentes.
Com pedido de permissão e no meu interesse devido aos registos inacabados, durante os próximos dias gostaria de fazer os desenhos do restante espaço previamente definidos e visitados.

Rossio, Aveiro

Situado em plena baixa de Aveiro, o Rossio acompanha a ria na entrada da zona mais movimentada de Aveiro, com um grande reboliço de turistas a saírem dos autocarros, fazerem fila para entrar nos moliceiros ou a admirarem os edifícios Arte Nova que ali se encontram. É um espaço verde grande, um pouco subaproveitado no que poderia a sua dinâmica com a população e com quem ali passa. Tinha uma grande fileira de palmeiras que acompanhava a linha da Ria e que lhe era bastante característico, mas que para minha surpresa, de um momento para o outro, desapareceram, não resistiram ao maldito escaravelho. Aquelas duas no desenho ainda resistem, vamos ver até quando...

Experiencias




Resolvi desenhar experiencias que estava a fazer para fotografar uma "natureza morta"

25 de abril, tempo de liberdade, liberdade para desenhar... (sempre!)


Mais um bocadinho do Seixal no meu caderno.



25 de Abril Sempre!


Ferragens Guedes

Já terei passado por esta loja, certamente, umas boas centenas de vezes...mas nunca lá tinha entrado!
O desenho (e mais concretamente este desafio) leva-nos a isso...a explorar, fazer descobertas...enfim, a viajar na nossa própria cidade!
Tive acesso à oficina e ao armazém. Que bela surpresa! Um mundo à espera de ser desenhado!
Fiquei também a saber que a maioria das ferragens que estão à venda na loja, são produzidas na própria oficina.
Que maravilha!



Convento Velho de Penafirme

Hoje o Tomás pretendia "fazer arqueologia". A escolha recaiu sob o Convento Velho de Penafirme.
As ruínas ficam numas dunas próximo da Praia de Santa Rita. A construção deste templo teve início ainda na 1ª metade do séc. XVI para acolher a Ordem dos Eremitas de Sto. Agostinho.
A sua proximidade ao mar tornou-o vulnerável às inundações e aos saqueadores.
Em 1755, após o a grande terramoto, eis que ocorre o seu total abandono. Após 200 anos ali instalados, os eremitas vêem-se obrigados a procurar um novo lugar para erigir um novo convento, de preferência numa zona alta, longe do mar. O local escolhido foi a Póvoa de Penafirme e ainda hoje lá permanece. Depois de ter sido um seminário, viu as suas instalações ampliadas, albergando uma das maiores e escolas do país: Externato de Penafirme.
 
As ruínas do Convento Velho lá permanecem, vendo-se apenas um piso, já que os restantes, encontram-se "engolidos" pela areia das dunas e pela vegetação. As pedras lá continuam à mercê do vento, da chuva e da maresia, mas os piores ataques vêm de gente inculta e como hoje é dia de liberdade, atrevo-me a dizer "de gente estúpida", como aquela que apanhámos hoje: um grupo de imbecis que andava a praticar motocross no meio das ruínas, servindo-se das mesmas para fazerem saltos. Sem palavras. Como é que um pai explica um filho a existência de gente assim?
 
Depois da visita e da "investigação" do Tomás, saíram os desenhos.
 
 
 
Desenho do Tomás. Hoje não lhe apeteceu colorir.
 
Apesar de se encontrar em ruína, ainda consegue surpreender-nos com elementos arquitectónicos bastante interessantes, como as cantarias aparelhadas, os arcos romanos com recurso a tijolo cerâmico. Mas o mais interessante é a sua integração na paisagem, tendo como pano de fundo, as dunas, a sul e a poente, a serra a nascente e o mar a norte.

A bela sardinha nesta cozinha!



Desafio77
Cozinha

Ora diz o povo que "se quer como a sardinha..."
Esta bem fresquinha, fica bem em qualquer cozinha e tempo ameno
Como digo... 
"Mesmo a tempo de entrar
Neste desafio de cozinha
Toca a pôr a lenha a crepitar
E venha de lá a bela sardinha!

Que nunca falte na bela cozinha!

-José Leal

Conserveira de Lisboa

Depois de explicar o que pretendia fazer na Conserveira de Lisboa tive de prometer que ficava num cantinho a desenhar. A razão é simples, o espaço é pequeno mas muito concorrido. Por isso rapidamente nos sentimos como sardinha em lata. Acaba por ter a sua piada ver turistas "enlatados" a comprar latas de sardinha. Esta loja apesar de pequena tem muita personalidade e muita cor devido às embalagens das latas. Fiquei a saber que existe uma infinidade de sardinhas, atum, cavalas enlatadas e outras coisas com os mais variados produtos. As pessoas da loja acabaram por me trazer latas para as poder desenhar de mais perto. Faltou o desenho dos turistas.

Finlândia II - logradouros de Helsínquia


Na chegada à cidade, deixámos as malas no quarto do hotel. Como o frio apertava, achei por bem desenhar no interior, espreitando a janela das escadas. Lá atrás estão as bicicletas arrumadas, uma mini-sauna e ainda o compartimento da reciclagem, onde os vizinhos separam o lixo em, pelo menos, meia dúzia de caixotes diferentes.

Abrantes

Residência Artística em Abrantes.
Hoje é feriado. Andam as ruas vazias e os Colégios também. Uns mais vazios do que outros.
Quantos Abrantinos não se terão formado para o mundo neste Colégio de Na Srª de Fátima

Confeitaria Nacional

Estava cheia de gente, acreditem e fui esperando pacientemente que se desviassem. Com gente fica para a próxima....


GO SKETCH ÓBIDOS

E as bolsas GO SKETCH para Óbidos vão para...........